Você já notou como um dia cinzento e chuvoso faz com que você se sinta mais para baixo e cansado? Já um dia ensolarado pode fazê-lo sentir-se alegre e energizado, não é mesmo? Há uma razão científica para isso! A pouca exposição à luz solar tem sido associada a baixos níveis de melatonina e serotonina, a desejo por carboidratos, a ganho de peso e a distúrbios do sono.

Você também já pode ter percebido que acontece uma flutuação sazonal em seu humor: sente-se deprimido apenas nos meses de inverno. Isto pode acontecer principalmente nos lugares onde o inverno é mais rigoroso.

Com um suprimento bem menor de serotonina adicionadas ao estresse do dia a dia, não tem nem como comparar com as nossas ótimas lembranças das férias. O termo médico para este mal-estar de longa duração no qual caímos é o transtorno afetivo sazonal ou o TAS, também conhecido como depressão de inverno.

Causas do Transtorno Afetivo Sazonal

Acredita-se que o TAS seja causado por um distúrbio no ritmo circadiano normal do corpo. A luz que entra pelos olhos influencia esse ritmo. Quando está escuro, a glândula pineal produz uma substância chamada melatonina, que é responsável pela sonolência que sentimos após o anoitecer.

Quando a luz entra nos olhos ao amanhecer, a produção de melatonina é desligada. Durante os dias mais curtos do inverno, quando as pessoas devem se levantar antes do amanhecer ou não podem sair do trabalho antes do pôr-do-sol, esses ritmos normais podem ser afetados, produzindo os sintomas da depressão de inverno.

Há também evidências que ligam o TAS a uma quantidade reduzida do neurotransmissor serotonina. A serotonina é a substância do bem-estar que é aumentada por antidepressivos chamados inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs). Essa diminuição na produção de serotonina pode ser responsável por muitos dos sintomas do TAS, como a depressão e a compulsão por carboidratos.

Mulher depressiva no inverno

Sinais e Sintomas do Transtorno Afetivo Sazonal

Os sintomas da depressão de inverno ocorrem ciclicamente, a cada ano durante os meses de inverno acontece o retorno dos sintomas . Esses sintomas tendem a ser os sintomas atípicos da depressão, incluindo:

  • aumento do sono;
  • aumento do apetite e do desejo por carboidratos;
  • ganho de peso;
  • irritabilidade;
  • dificuldades interpessoais (especialmente a sensibilidade à rejeição), e
  • uma sensação de peso nos braços ou pernas.

Diagnóstico da Depressão de Inverno

Não há teste de laboratório para o TAS. Ele é diagnosticado com base na história dos sintomas de uma pessoa, usando os critérios estabelecidos pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV). O DSM-IV não considera o TAS como um distúrbio separado. Em vez disso, é um “especificador” do Episódio Depressivo Maior. Para ser diagnosticado com TAS, uma pessoa deve, antes de tudo, satisfazer os critérios para um Episódio Depressivo Maior.

Os Sintomas do TAS

Pelo menos cinco dos sintomas listados abaixo devem estar presentes na maior parte do tempo durante as duas semanas anteriores.

Além disso, pelo menos um dos sintomas da pessoa deve ser um dos dois primeiros itens listados. O humor deprimido não conta se for resultado de uma condição médica ou se estiver relacionado ao conteúdo de uma ilusão ou de uma alucinação que a pessoa esteja experimentando.

  • Sentimentos de depressão
  • Perda de interesse em coisas que já foram apreciadas
  • Alterações no apetite ou no peso não associado a alterações dietéticas intencionais com o objetivo de ganhar ou perder peso.
  • Dormir muito ou pouco
  • Agitação ou retardo psicomotor
  • Cansaço ou energia perdida
  • Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva
  • Problemas com concentração, com pensamento ou com tomada de decisão
  • Pensamentos de morte ou suicídio

Quaisquer sintomas que sejam melhor explicados por uma conexão com uma condição médica, pelo abuso de drogas ou de álcool ou por tristeza também não contam. Além disso, um transtorno psicótico, como o transtorno esquizoafetivo, tem que ser excluído como causa dos sintomas.

Se esses sintomas existirem, os critérios a seguir também precisam ser atendidos para obter um especificador de padrão sazonal:

  • Um padrão sazonal de início e fim dos episódios depressivos maiores;
  • Dois episódios depressivos maiores que contemplem os sintomas acima nos últimos dois anos, sem ocorrência de episódios de depressão maior em outras épocas do ano;
  • Um padrão de ter episódios depressivos maiores sazonalmente

Terapia de Luz

A terapia de luz, onde é usado um dispositivo que emite luz branca brilhante, é considerada atualmente a melhor forma de tratamento para a depressão de inverno.

Lâmpada para terapia de luz

No outono de 1998, um grupo de 13 especialistas canadenses emitiu consensualmente um conjunto profissional de orientações para o tratamento do transtorno do TAS. Entre suas conclusões:

  • A “dose” inicial para terapia de luz usando uma caixa de luz fluorescente é de 10.000 lux durante 30 minutos por dia.
  • Alternativamente, as caixas de luz que emitem 2.500 lux requerem duas horas de exposição por dia.
  • Para maximizar a resposta ao tratamento, a terapia com luz deve ser iniciada no início da manhã, ao despertar,
  • A resposta à terapia de luz geralmente ocorre em uma semana. Porém alguns pacientes podem precisar de até quatro semanas para apresentar uma resposta.
  • Efeitos colaterais comuns da terapia de luz incluem dor de cabeça, fadiga ocular, náusea e agitação, mas esses efeitos são geralmente leves e transitórios, ou desaparecem com a redução da dose de luz.

Segundo o Dr. Michael Terman, chefe do Programa de Depressão de Inverno do Centro Médico Presbiteriano da Universidade de Columbia, Nova York, o consenso nos EUA é que a terapia de luz brilhante pós-despertar, usando uma fonte de luz branca de amplo espectro a 10.000 lux, é uma intervenção de primeira linha. As drogas devem ser trazidas como adjuvantes apenas se a terapia de luz for insuficiente. A dosagem ideal da luz é crucial, uma vez que, se feita de maneira errada, pode não produzir melhora, pode produzir somente uma melhora parcial ou pode até mesmo causar o agravamento dos sintomas.

Fluxo de Íons Carregados Negativamente

Terman ainda está testando uma nova maneira de tratar o transtorno afetivo sazonal. Esta terapia engloba direcionar um fluxo de íons carregados negativamente a uma pessoa. Isto é feito com ela dormindo em uma espécie de cama condutora especial. A descoberta de que os íons negativos de alta densidade ajudaram as pessoas com transtorno afetivo sazonal veio acidentalmente de um estudo anterior. Um segundo estudo, que terminará em breve, também encontrou um efeito benéfico nesta terapia.

O ar é cheio de íons negativos na primavera, mas não no inverno. Porém isso não explica como a terapia de íon funcionaria. “Nós ainda não temos uma resposta para essa pergunta”, diz Terman. No entanto, diz, “Estamos agora convencidos de que isto é real.”

Saiba mais sobre o TAS

Para saber mais sobre a depressão de inverno, você pode ler um artigo bem interessante na revista Galileu, clicando aqui.

Não esqueça que somente um médico ou psicólogo poderão fazer o diagnóstico e ajudar com este transtorno. Ao menor sinal de que esteja sofrendo deste mal, procure ajuda de um profissional. O melhor a fazer é começar o tratamento o quanto antes!

texto adaptado de https://www.verywellmind.com/what-is-seasonal-affective-disorder-1065408

 

O que é transtorno afetivo sazonal, ou Depressão de Inverno?
4.5 (90%) 2 votes