A depressão infantil muitas vezes demora a ser diagnosticada pelas características um pouco diversas da depressão em um adulto. Você sabia que em crianças a tristeza não é o principal sintoma de depressão? Você conhece os comportamentos das crianças que podem ser indícios de depressão? E sabe o que deve ser feito para preveni-la? A resposta a estas perguntas você encontrará aqui, neste artigo.

A depressão é uma doença grave e, se não for tratada corretamente, pode levar a resultados trágicos. Crianças com depressão chegam sim a tentar o suicídio, isto não é exclusividade dos adultos.

Se você tem criança em casa, você precisa conhecer os sintomas da depressão na infância. Para entender mais sobre isto, leia este artigo até o fim!

Depressão e tristeza

Vamos começar falando sobre um mito que atrapalha tanto adultos como crianças com depressão. É importante acabar com este mito para que você não fique preso a estereótipos que podem comprometer a recuperação ou o diagnóstico.

Diga-me, quando você ouve falar em depressão, qual é a primeira coisa que vem à sua cabeça? Tristeza, não é mesmo? Mas nem sempre este é um sintoma que se manifesta fortemente. Algumas vezes não se manifesta ou não é perceptível.

Adultos algumas vezes escondem a tristeza

Para os adultos com depressão é comum sentir tristeza, mas muitos a escondem por medo do preconceito. Ou então por não querer preocupar as pessoas mais próximas. Muitos fazem um esforço enorme para parecer bem, mas por dentro estão sentindo-se destruídos. E isto só faz com que o quadro piore.

Saiba mais sobre isto lendo o artigo sobre os principais sintomas de depressão aqui mesmo, neste blog.

Apesar de ser comum em adultos, a tristeza não é sintoma comum de depressão em crianças

A tristeza não é um sintoma comum em crianças

Para as crianças, a tristeza é um sintoma incomum. As crianças ainda não sabem expressar bem o que sentem, muito menos sabem que estão deprimidas.

A depressão é vista pelas crianças como algo natural. Elas pensam que é algo que faz parte da sua personalidade. Não sabem que estão doentes e muito menos que esta doença tem cura.

Este é um dos motivos pelos quais você precisa conhecer os principais sintomas da depressão infantil. Você não irá saber se uma criança está depressiva se associar a depressão à tristeza. É preciso ficar atento a outros comportamentos da criança para detectar sinais desta doença.

Principais causas da depressão na infância

As causas da depressão infantil ainda não são conhecidas em detalhes. Sabe-se que vários fatores podem desencadear a depressão na infância. Entre eles a genética, que pode tornar a criança mais suscetível a desenvolver a depressão.

Prováveis causas

Algumas das prováveis causas são as mesmas dos adultos: estresse intenso (gerado pela mudança de escola ou endereço, por exemplo), luto, perdas, dificuldade de adaptar-se a novas circunstâncias ou mesmo a separação dos pais.

Porém, na maioria dos casos, a genética é o principal elemento responsável por desencadear o quadro depressivo. Desta forma, crianças com pais ou parentes próximos que são depressivos tem um risco maior de desenvolver a doença.

Vida moderna é um fator de risco

Outro motivo que pode levar uma criança a ter depressão é a vida moderna. A evolução das tecnologias, por exemplo, tornam os vínculos interpessoais mais frágeis. Muitas vezes levam a um afastamento dos pais, isolando-os no mundo virtual.

Há também os pais que tem dificuldade em lidar com os filhos, que sentem-se, algumas vezes, desprezados.

Uma das causas da depressão é o sentimento da criança que os pais a desprezam

Pais muito atarefados

Pais que tem profissões de grande responsabilidade podem não ter muito contato com a criança, por falta de tempo. Isto acaba impedindo que haja um elo afetivo positivo.

Maus tratos

Não podemos deixar de citar como causa da depressão na infância os maus tratos por parte da família. A criança ser tratada como filho indesejado ou ser filho de alcoólatra também pode ser um gatilho para a depressão.

Sintomas da depressão infantil

Como eu já mencionei, as crianças tem dificuldade para saber que estão doentes e para expressar seus sentimentos. São os pais que devem ficar atentos a alguns sinais que podem ser indício de depressão nas crianças. Perceba que alguns destes sinais são, muitas vezes, atribuídos a outras causas (como preguiça, por exemplo).

Os principais sintomas são estes:

  • Diminuição do desempenho escolar.
  • Alteração do sono: insônia ou sonolência fora do normal
  • Anedonia (pouca predisposição a se divertir)
  • Afeto deprimido
  • Alteração do padrão alimentar: falta ou excesso de apetite
  • Choro
  • Fadiga excessiva, sensação de falta de energia
  • Queixas de dores físicas
  • Dificuldade de concentração ou de raciocínio
  • Ideias de culpa ou de menosvalia (sentimento de que não é importante)
  • Irritabilidade, agressividade
  • Humor depressivo
  • Perda de interesse ou incapacidade de sentir prazer na maioria das atividades
  • Tronco arqueado
  • Pensamentos de morte ou tragédias
  • Pessimismo
  • Ideias e atos suicidas
  • Isolamento, problemas de socialização
  • Dificuldade de se afastar da mãe

Birras e mau comportamento podem ser indídicios de depressão infantil

É importante entender que estes sintomas são indícios, somente um médico ou psicólogo poderão diagnosticar corretamente.

Os sintomas devem ter aparecido há pelo menos um mês para que possam ser considerados sinais de depressão.

Se você observou que e a criança apresenta alguns destes sintomas, marque logo uma consulta com um profissional da saúde. Se for mesmo depressão, quanto antes tratar, mais chance de cura a criança terá.

Prevenção

Não existe uma fórmula mágica para prevenir a depressão na infância. Nem mesmo há alguma forma de modificar os fatores genéticos.

Porém, alguns cuidados e atitudes podem ajudar bastante no sentido de diminuir a possibilidade da criança desenvolver esta doença. Vou citar os principais para que você tenha uma ideia do que pode ser feito:

Escute seu filho

Muitas vezes estamos atarefados ou presos na rotina do dia-a-dia e acabamos esquecendo da importância dos filhos. Mostre à criança que as preocupações dela são importantes para você.

Não diga coisas como “isto é sua culpa” ou “isto é besteira” ou “isso não é nada”. Comentários assim podem levá-las a crer que são inúteis ou sentirem-se culpadas.

Se não for uma hora apropriada para conversar, diga que conversará em outro momento, como depois do jantar ou na volta da escola. E cumpra a promessa!

Repare e elogie as coisas boas que seu filho faz

Isto ajuda no bem-estar emocional dele. Sabemos que as crianças tem que ter limites, mas a forma como fala muda muito. E se ele fizer algo positivo elogie a ação que ele fez. Mostre que você ficou feliz com a atitude.

Reduza as brigas em casa

Brigas fazem com que aumente o risco de depressão nas crianças. Elas sentem medo, raiva ou tristeza e, por resguardar estes sentimentos, pode desenvolver um quadro depressivo.

Evitar brigas em casa ajuda a evitar a depressão na infância

Ensine a seu filho como reagir em caso de “bullying” (assédio moral)

Mostre a ele que você está à disposição para ele pedir conselhos. Conte a ele que se algo de ruim acontecer ele tem o direito de contar a alguém. Deixe claro e faça com que a criança sinta que pode confiar em você.

Esteja sempre presente

Estar presente não é somente estar próximo fisicamente. É criar laços que mostrem ao seu filho que ele pode sempre contar com você. Ajudar na lição de casa, pedir ajuda no preparo do almoço e passar algum tempo com a criança são exemplos de como fazer isto.

Lembre-se que crianças não tem maturidade para entender as dificuldades da vida adulta. Elas não vão compreender o porquê de você estar ocupado e porque não está disponível para elas.  Porém irão sentir muito se você não tiver tempo para elas.

Não deixe a criança em situação de risco de abuso

O abuso físico, emocional ou sexual leva uma criança à depressão em curtíssimo tempo. Nunca deixe a criança em situações em que ela possa sofrer algum tipo de abuso. Se você descobrir que ela é vítima de algo assim, tire-a imediatamente do cenário onde acontece isto.

Atividades coletivas

Dança, esporte, teatro ou  qualquer atividade que faça com que a criança seja mais extrovertida e tenha mais facilidade em fazer amigos.

Atividades coletivas para crianças no combate à depressão

Certamente existem diversas outras formas de diminuir o risco de depressão na infância. Citei estas apenas como um norteador para a sua maneira de educar e tratar seus filhos.

Resumidamente, podemos dizer que deve-se sempre dar importância ao filho e às coisas que são importantes para ele. Devemos protegê-lo e ensiná-lo a se proteger. E o principal: devemos nos fazer presentes e participar de suas vidas.

Tratamento da depressão infantil

O tratamento da depressão infantil envolve uma série de abordagens, em diversos níveis.

Entre as estratégias que podem ser utilizadas, temos as seguintes:

  • Psioterapia ou psicanálise – comportamental ou dinâmica
  • Psicoeducação – orientação da escola e da família sobre como ajudar a criança e sobre a situação
  • Tratamento medicamentoso – dependendo da gravidade e do impacto do quadro depressivo.

É importante destacar que crianças com menos de 7 anos de idade não devem usar antidepressivos.

Antidepressivos, se forem utilizados, devem ter o acompanhamento de um psicólogo da criança ou de um psiquiatra infantil. Desta forma a criança terá mais chance de se curar da depressão.

Considerações finais

Os pais devem ficar sempre atentos às crianças. Birras, notas baixas na escola e falta de concentração podem ser sinais de depressão na infância. Chamar a criança de preguiçosa ou compará-la aos coleguinhas afirmando, mesmo que indiretamente, que eles são melhores que ela só contribuirá para agravar o quadro depressivo.

Assim que perceber que os sintomas estão se manifestando, não tarde em procurar um médico ou psicólogo. Se estiver com dúvidas a respeito dos sintomas ou se não sabe se a criança apresenta-os ou não, procure um médico ou psicólogo também. Somente o profissional da saúde poderá orientar da melhor forma.

Não tenha preconceito contra  a depressão. Nada de dizer que “meu filho não precisa de psicólogo ou psiquiatra” ou achar que é vergonhoso o filho precisar de um tratamento assim. Isto só contribuirá para agravar o quadro depressivo e diminuir a chance de cura. Principalmente se demorar demais. A depressão é uma doença como qualquer outra e não escolhe suas vítimas.

Escrevi este artigo para ajudar a esclarecer e divulgar um problema que pode ser desconhecido de muitos pais. Quanto mais divulgado este artigo for, mais crianças poderão ter a chance de viver uma vida normal, longe desta doença.

Se você gostou do artigo e achou útil, compartilhe! É só um clique em um dos botões, ali embaixo! Lembre que este pequeno gesto pode ajudar muitas crianças!

 

Fontes:

http://www.minhavida.com.br/familia/materias/20617-depressao-infantil-como-identificar-os-sintomas-e-tratar-o-problema-em-criancas

http://www.pediatriaemfoco.com.br/posts.php?cod=60&cat=5

http://www.escoladainteligencia.com.br/depressao-infantil-causas-e-sintomas/

http://formacao.cancaonova.com/cura-interior-2/depressao-infantil-conheca-as-principais-causas/

http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/deprssao-infantil.htm

http://pt.wikihow.com/Prevenir-a-Depress%C3%A3o-Infantil

http://abp.org.br/portal/clippingsis/exibClipping/?clipping=7109

https://www.tuasaude.com/depressao-infantil/

Depressão Infantil Existe. Informe-se para Proteger Seu Filho!
3 (60.77%) 26 votes