Falta de concentração: entenda as causas!

Você tem problemas de falta de concentração? Você ficaria impressionado se soubesse o quanto isso é comum nos dias de hoje. E as causas podem ser as mais variadas.

É importante tentar identificar o que realmente está ocasionando estes problemas para então procurar uma solução mais adequada. Para isso, você precisa entender como é que nosso organismo funciona.

Por isso este artigo foi escrito, para que você entenda melhor o que pode estar acontecendo com você. Portanto, leia-o até o fim com muita atenção! 😉

As pessoas pensam que foco significa dizer sim à coisa em que você precisa se concentrar. Mas não é nada disso. Significa dizer não às outras centenas de boas idéias que existem. Você precisa escolher cuidadosamente.”

Steve Jobs


O que é a concentração

Antes de saber o que causa a falta de concentração é preciso entender o que ela é e como ela funciona. Concentração é a capacidade de manter a atenção nas tarefas em que estamos trabalhando, no que estamos fazendo.

Com as habilidades de concentração adequadas, um indivíduo é capaz de bloquear as distrações e inibir as ações que possam causar a perda do foco e da atenção.

A concentração está diretamente ligada ao desempenho de um trabalho. Quanto maior ela for, mais fácil ficará o trabalho, além de se tornar mais rápido e eficiente.

A dificuldade em manter a atenção torna-se um problema quando a incapacidade de se concentrar e de focar em alguma coisa impede a pessoa de fazer algo, ou então quando torna a tarefa muito difícil de ser executada.

Às vezes o telefone celular, um ruído de fundo ou mesmo alguns pensamentos são elementos que acabam atrapalhado a execução do trabalho.

Foto de dentro de um carro, representando um motorista dirigindo e mexendo no celular.
Mexer no celular ao dirigir tira a atenção, cuidado!

Alguns fatores impactam diretamente nos níveis de concentração. São eles:

  • Interesse na tarefa
  • Dedicação à tarefa
  • Ambiente propício, com poucas distrações
  • Estado físico e emocional
  • Aptidão para completar a tarefa

A ciência por trás da concentração

Para compreendermos o mecanismo da concentração precisamos entender como o cérebro funciona. Quando o cérebro foca em uma tarefa, ao menos três tipos diferentes de atenção produzem a capacidade de se concentrar:

Atenção dividida

É o processo que permite ao cérebro gerenciar e processar múltiplas fontes de informação ao mesmo tempo. Um exemplo disso seria a tarefa multifocal de dirigir.

Atenção seletiva

Permite que o cérebro se concentre em uma única coisa, desconsiderando o ambiente ao seu redor.

Foto de uma pessoa tentando resolver um cubo mágico, atividade que exige concentração.
Resolver um cubo mágico é um tipo de atividade que exige atenção exclusiva.

Atenção sustentada

A atenção sustentada permite que o cérebro fique focado em uma coisa por um longo tempo. Este processo não é afetado pelo envelhecimento. Ela permite ao cérebro classificar e redirecionar as informações em meio à distração.

Este processo todo é suportado por duas importantes funções, aprimoramento da sensibilidade e seleção eficiente.

O aprimoramento da sensibilidade é ativado por informações sensoriais que ajudam o cérebro a processar a entrada de forma mais eficiente.

A seleção eficiente direciona a capacidade de se concentrar do cérebro. Filtra informações importantes e eleva o processo de raciocínio para uma concentração mais profunda, ao mesmo tempo em que elimina as interrupções.

Por que perdemos o foco?

Perder o foco faz parte do sistema interno de sobrevivência humana. Esta característica destina-se a manter os humanos seguros.

Quando ocorre uma situação em que a segurança pode estar em jogo ou em que algo será recompensador, o cérebro percebe que algo precisa de sua atenção. Então o sistema interno de sobrevivência entra em ação e exige que o cérebro interrompa a concentração.

Recuperação da atenção

Depois que o foco é quebrado, você pode levar até 25 minutos para retornar à tarefa que estava sendo executada. Estudos sugerem que leva de 5 a 15 minutos para retomar o foco.

Um trabalhador de escritório é interrompido em média a cada intervalo de 3 a 10 minutos. Algumas dessas interrupções vêm na forma de colegas, telefonemas, e-mails, etc. As interrupções mais frequentes são as internas, cerca de 44% do tempo de acordo com uma pesquisa.

Foto mostra uma mulher trabalhando e outra sentada em sua mesa com uma xícara de café, tirando a atenção da primeira.
Colegas interrompendo o trabalho é um dos fatores de perda de foco.

Uma característica que você deve conhecer para gerenciar melhor o seu trabalho: o cérebro humano é capaz de se concentrar por até duas horas, depois disso precisa de um intervalo de 20 a 30 minutos.

Problemas de concentração em adultos

São muitos os problemas de concentração em adultos. Os mais comuns são a má gestão do tempo, a facilidade de se distrair, a incapacidade de completar uma única tarefa por um período prolongado de tempo, levar muito tempo para concluir uma tarefa e a dificuldade em ler e recordar as informações existentes em algum material.

Foto mostra uma mulher lendo um livro, atividade que exige atenção.
Um dos problemas comuns de falta de concentração é ler e não recordar as informações contidas no material.

Causas de problemas de concentração em adultos

Os problemas de concentração em adultos podem ter diversas causas. Abaixo você encontrará alguns dos principais motivos que são capazes de levar a dificuldades de atenção:

  • Alterações hormonais durante a menopausa ou gravidez podem afetar a função cognitiva.
  • Fadiga e estresse emocional podem causar problemas de concentração.
  • Pouco tempo de sono e descanso – o cérebro precisa de descanso. Um dos sintomas mais comuns de exaustão é a falta de concentração.
  • Capacidade de concentração – existem algumas pessoas que são capazes de se concentrar melhor do que outras. E também tem algumas que têm mais dificuldade em se concentrar.
  • Certas condições psicológicas e físicas são caracterizadas pela dificuldade de concentração, como o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).
  • Ambiente – fatores ambientais, como um barulho ou telefone tocando, podem causar perda de concentração.
  • Fome e má alimentação também podem dificultar a concentração. A falta de nutrientes pode afetar o funcionamento do cérebro. Os ácidos graxos ômega-3 (encontrados em peixes, soja, linho, nozes e outras fontes) ajudam a fornecer ao corpo os aminoácidos necessários para a formação de células saudáveis. Além disso, eles desempenham um importante papel na produção de neurotransmissores no cérebro, como a serotonina e a dopamina. Indiscutivelmente, as células cerebrais ​​(neurônios) saudáveis terão melhor desempenho do que as não saudáveis, promovendo assim a clareza cognitiva, uma memória que funciona bem e um humor positivo.
  • Medicação e drogas – alguns medicamentos podem causar falta de concentração e algumas drogas deterioram a função cognitiva e o cérebro.
  • Dor física – o cérebro tem mais dificuldade em se concentrar durante uma lesão ou na dor crônica.
  • Concussão – traumas cerebrais leves podem causar uma ruptura na atividade elétrica do cérebro e/ou no metabolismo da glicose do cérebro (ele precisa disso para processar informações).
  • Estresse – ser facilmente distraído é um sinal comum de estresse persistentemente elevado. O estresse também pode levar a um comportamento excessivamente apreensivo e causar um estado de prontidão de semi-emergência.
  • Emoções fortes – tanto a tristeza profunda quanto o êxtase podem nos deixar alheios ao mundo ao nosso redor. Como exemplo podemos citar um adolescente apaixonado que fica pensando no ser amado e não consegue prestar atenção à aula.

Conclusão

Talvez a sua falta de concentração seja apenas um sintoma de alguma doença ou de algum transtorno. Também pode vir da dificuldade em dormir ou de dormir mal.

Anúncio

É bom notar que a incapacidade de se concentrar corrói a autoconfiança e cria insegurança. Isso pode levar à irritabilidade, depressão e ansiedade no local de trabalho.

O recomendado é sempre procurar um especialista. Um médico poderá analisar um conjunto de fatores para tratar a causa do seu problema, não apenas os sintomas. Não deixe de relatar a ele todos seus problemas, mesmo que aparentemente não tenha ligação com o que está sentindo. Ele precisa ter uma visão global da sua saúde para poder ajudar.

Fontes
https://blog.sandglaz.com/the-science-behind-concentration/
https://www.forbes.com/sites/carminegallo/2011/05/16/steve-jobs-get-rid-of-the-crappy-stuff/
https://www.ics.uci.edu/~gmark/Home_page/Welcome.html
https://neuroleadership.com/
http://thepeakperformancecenter.com/educational-learning/learning/process/obtaining/types-of-attention/
http://thepeakperformancecenter.com/educational-learning/learning/process/obtaining/types-of-attention/
https://blog.cognifit.com/concentration-problems-symptoms-causes-and-tips/
https://www.medicinenet.com/difficulty_concentrating/symptoms.htm
http://theconversation.com/the-hefty-price-of-study-drug-misuse-on-college-campuses-59340

Atenção!

O conteúdo deste site tem caráter meramente informativo e não substitui uma consulta a um profissional da saúde.

Procure sempre um médico ou psicólogo.

2 Comentários
  1. Stephanie Dias Diz

    Muito bacana entender a ciência por trás da concentração. Muito bom o post!

  2. Eduardo Rangel de Araujo Diz

    Muito bom o artigo, muito obrigado eu estava precisando

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Nós supomos que você está de acordo com isso, mas você pode sair, se desejar. Aceitar Leia Mais