Transtorno de Estresse Pós-Traumático: o que é e como ajudar

Neste artigo falaremos sobre um assunto que não é tão comentado no dia a dia como a depressão, a ansiedade, a bipolaridade e a síndrome de borderline. Por não ser tão falado torna-se muito importante conhecermos o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).

Este artigo foi criado a título informativo. Desta forma você poderá identificar se há indícios de que você ou alguém que você conheça tenha sofra com este problema, podendo buscar ajuda de um profissional.

O que é o transtorno de estresse pós-traumático

O transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) é um transtorno mental debilitante que uma pessoa pode desenvolver quando experimenta – ou apenas testemunha – um evento muito traumático, aterrorizante ou trágico.

As pessoas com TEPT costumam ter lembranças e pensamentos assustadores duradouros da experiência que passou.

Como exemplo de eventos traumáticos que podem desencadear este tipo de transtorno podemos citar:

  • desastres naturais, como furacões, enchentes, incêndios ou terremotos
  • violência na comunidade onde vive (tiroteio, assalto, roubo, agressão, intimidação)
  • um grave acidente de carro
  • abuso sexual ou físico
  • guerra ou violência política (guerra civil, terrorismo)
  • violência doméstica ou familiar, violência no namoro
  • morte súbita inesperada ou violenta de alguém próximo (suicídio, acidente)
  • grande cirurgia ou doença com risco de vida (câncer infantil)
  • ferimentos graves (queimaduras, ataque de cachorro)
Foto de um acidente de carro. à esquerda um carro vermelho capotado, à direita um carro prata no sentido transversal à pista, com a frente batida.
Um possível motivo para o desencadeamento do transtorno do estresse pós-traumático é um acidente grave.

O TETP em crianças

Crianças expostas ao mesmo trauma que um adulto podem reagir de maneira muito diferente, mesmo que sejam da mesma família. Mesmo que muitas crianças experimentem algum trauma em suas vidas, muitas delas não desenvolverão TEPT. 

Anúncio

Quanto pior o trauma, maior são as chances da criança desenvolver o transtorno. Por exemplo, uma criança que testemunhou a morte violenta de um dos pais ou que é vítima de violência sexual tem um risco maior de desenvolver TEPT. Crianças e jovens com TEPT continuam sofrendo os efeitos muito tempo após o término do trauma.

Sinais e sintomas do transtorno de estresse pós-traumático

Se os sintomas começaram depois que a pessoa experimentou ou presenciou um evento traumático e se eles não desaparecerem, ela pode ter desenvolvido o Transtorno de Estresse Pós-Traumático. Os sintomas podem começar logo após o trauma, meses ou até anos depois.

imagem mostrando uma explosão ao fundo e a silhueta de dois soldados. A imagem representa a guerra, uma das causas de transtorno de estresse pós-traumático
É comum sobreviventes de guerra sofrerem de transtorno de estresse pós-traumático.

O transtorno de estresse pós-traumático causa perda de memória a curto prazo e pode ter repercussões psicológicas crônicas de longo prazo. Felizmente, o tratamento pode aliviar e, muitas vezes, eliminar os efeitos do TEPT a curto e a longo prazo.

Existem quatro tipos diferentes de reações de estresse pós-traumático. Para ser diagnosticada com TEPT, a pessoa deve ter pelo menos um sintoma de cada um desses quatro tipos.

1. Parecer extremamente alerta e “em guarda”

  • ficar com raiva facilmente
  • sentir-se agitado, nervoso, ou facilmente assustado; pular com sons ou possíveis ameaças (telefone tocando, um cachorro latindo)
  • frequentemente estar em “guarda” ou procurar sinais de perigo
  • ter dificuldade para se concentrar ou concluir tarefas
  • ter dificuldade para adormecer ou permanecer dormindo
  • fazer coisas imprudentes e perigosas

2. Reviver o trauma em sua mente

  • ter sonhos assustadores
  • representar partes do evento durante brincadeiras (crianças)
  • ter memórias perturbadoras e assustadoras, “imagens” e pensamentos sobre o que aconteceu
  • ficar muito chateado ou ter reações físicas ao ver ou ouvir coisas que lembrem o trauma (uma foto de um membro da família, barulho de um rojão, uma sirene, uma porta batendo)
  • encenar o evento traumático ou sentir como se estivesse acontecendo agora
Foto de uma menina com uma floresta escura ao fundo, representando o pesadelo, um dos sintomas do transtorno de estresse pós-traumático
Pesadelos frequentes podem ser um sintoma do transtorno de estresse pós-traumático.

3. Sofrer mudanças nos pensamentos e nos sentimentos como resultado do trauma

  • perder o interesse em coisas que gostava (sair do time esportivo ou da aula de dança, não querer mais nadar, conversar com os amigos, tocar um instrumento ou, no caso de uma criança, brincar com os amigos)
  • não ser capaz de sentir emoções positivas (prazer, satisfação, etc.)
  • sentir emoções negativas (raiva, medo, horror, etc.) que não vão embora
  • culpar a si mesmos ou aos outros pelo evento
  • pensar mais negativamente sobre si mesmos, os outros e o mundo
  • mostrar pouca emoção depois de um trauma ou não querer estar perto de pessoas
  • esquecer partes do trauma ou ficar confuso sobre quando as coisas aconteceram

4. Evitar coisas que lembrem do trauma

  • evitar pensamentos, sentimentos ou conversas associados ao trauma
  • Ficar longe de coisas associadas ao trauma (cães, se o trauma foi um ataque de cachorro, roupas, lugares)

TEPT em diferentes faixas etárias

A tabela a seguir lista os sintomas que podem ser observados em pessoas que sofrem de TEPT em diferentes idades.

É importante lembrar que alguns desses sintomas podem ocorrer durante períodos de estresse e não apenas no transtorno de estresse pós-traumático. Porém, se uma pessoa tem sintomas que permanecem por um longo tempo em reação a um evento assustador, eles podem estar sofrendo de TEPT.

Primeira infância

  • medo de estranhos, familiares ou de algumas situações (fica grudento, evita o contato, chora)
  • revive o trauma através de brincadeiras ou de desenhos
  • fica mais alerta (assusta-se facilmente, receoso do perigo)
  • age como se tivesse menos idade ou não usa mais as habilidades já aprendidas (para de usar o penico, começa a chupar o dedo)
  • queixas sobre o corpo (dores de estômago, dores de cabeça e outras)
  • sonhos assustadores sem relação com o evento traumático

Crianças em idade escolar

  • perda de confiança (não confia mais no cuidador para mantê-lo seguro)
  • visão negativa do mundo (acha que o mundo é perigoso)
  • perda de interesse em atividades que eles costumavam gostar
  • fica desafiador, tem explosões de raiva intensa ou agressão
  • faz coisas sem pensar (fica impulsivo, briga sem considerar as consequências)
  • dificuldade de concentração
  • queixas sobre o corpo (dores de estômago, dores de cabeça, dores e dores)
  • revive o trauma através de brincadeiras ou de desenhos
  • perda de apetite
  • mudanças de humor, parecem infelizes ou deprimidas
  • medo de ser separado dos cuidadores (não quer ficar longe, tem problemas para dormir sozinho)

Foto de perfil de um menino gritando, representando a agressividade, um dos sintomas do transtorno de estresse pós-traumático em crianças

Jovens, adultos e adolescentes

  • perda de confiança
  • comportamento impulsivo (uso de substâncias, autoflagelação)
  • fica desafiador, agressivo
  • perda de interesse em atividades que gostavam
  • mudanças de humor, parecem infelizes ou deprimidas,
    perda de apetite
  • queixas do corpo (dores de estômago, dores de cabeça, dores e dores)
  • pensamentos repetidos de morte, de estar morrendo ou de suicídio
  • comportamento de risco, incluindo auto-mutilação, uso de álcool, drogas e comportamento sexual desprotegido
  • visão negativa do mundo (acha que o mundo é perigoso)
  • tornam-se muito irritáveis

O que fazer em caso de TEPT?

As pessoas que vivem com transtorno de estresse pós-traumático podem sentir que estão lutando uma batalha diária com as suas lembranças. Não é uma condição fácil de conviver.

O tratamento ativo por meio de psicoterapia e de medicação (se necessário) pode ser complementado por grupos de apoio e apoio da comunidade.

Se uma pessoa com TEPT tiver um parceiro, o aconselhamento de casais pode beneficiar o relacionamento. Desta forma seu parceiro poderá entender melhor e aprender como lidar com os sintomas associados a esse transtorno.

Vídeo sobre o transtorno

O vídeo abaixo aborda o tema do TEPT, explicando de uma forma simples o que é este transtorno. Assista!

Conclusão

O primeiro passo é garantir que a pessoa esteja segura e que suas necessidades básicas sejam atendidas. Depois disso, se ela continuar tendo sintomas de estresse por um mês ou mais após o trauma, é importantíssimo procurar ajuda profissional.

Anúncio

Nunca deixe para depois. Se você puder, busque um médico ou psicólogo para obter orientações sobre como proceder para auxiliar a pessoa com estresse pós-traumático. O apoio da família e dos amigos é fundamental, mas é preciso saber o que fazer.

Fontes:

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Nós supomos que você está de acordo com isso, mas você pode sair, se desejar. Aceitar Leia Mais